Um novo coronavírus que está provocando uma epidemia de doenças respiratórias em humanos, levantou dúvidas quanto à possível relevância desse vírus recém-descoberto para nossos pacientes veterinários. Típico de uma doença emergente, estamos aprendendo mais sobre o vírus dia a dia. O vírus SARS-CoV-2, que causa a COVID-19, é um coronavírus específico que infecta o trato respiratório humano, sendo diferente dos coronavírus identificados anteriormente em infecções de pacientes humanos ou veterinários. Os coronavírus são uma grande família de vírus que consistem de vários subgrupos de vírus comumente encontrados em humanos e outros mamíferos, além de aves e répteis.

Os coronavírus alfa e beta (inclusive aqueles responsáveis pelo resfriado comum em humanos) geralmente infectam mamíferos, enquanto os coronavírus gama e delta geralmente infectam aves e peixes. Os coronavírus que comumente provocam doença respiratória ou gastrointestinal em nossos pacientes veterinários são os coronavírus alfa. O SARS-CoV-2, responsável pelos recentes surtos respiratórios de COVID-19 em humanos, é um coronavírus beta.

Especialistas em doenças infecciosas e várias organizações de saúde animal e humana nacionais e internacionais concordam que não há evidências neste momento indicando que animais de companhia possam ser uma fonte de infecção para pessoas do coronavírus que causa o COVID-19, possuindo também uma probabilidade mínima de risco de serem infectados pelo vírus SARS-CoV-2 após exposição a humanos infectados. As principais autoridades sanitárias não recomendam testar animais de companhia rotineiramente para o vírus da COVID-19 no momento, uma vez que ele é essencialmente transmitido de pessoa para pessoa. Em caso de um membro da família positivo para COVID-19, a AVMA e o CDC recomendam limitar o contato não apenas com outras pessoas, mas também com animais de estimação como medida de saúde animal preventiva até que haja uma melhor compreensão do vírus. Se possível, outro membro da família deve fornecer os cuidados diários para o animal, principalmente no caso de furões e gatos.

Desde o início do surto, a IDEXX entendendo o seu papel como líder global em diagnóstico veterinário, sempre trazendo novos diagnósticos e informações de relevância científica, avaliou milhares de amostras de cães e gatos durante a validação de um teste de diagnóstico veterinário para a Doença Coronavírus 2019 (COVID-19) e não encontrou resultados positivos para a presença do vírus SARS-CoV-2 (a cepa de coronavírus responsável pela pandemia de COVID-19 em humanos) em animais de companhia. As amostras usadas no desenvolvimento e na validação do teste foram obtidas a partir de amostras enviadas aos Laboratórios de Referência IDEXX para painéis de diagnóstico por PCR. Este resultado vai de encontro com o que as autoridades internacionais (U.S. Centers for Disease Control and Prevention, the American Veterinary Medical Association, World Organisation for Animal Health) estão posicionando, que até este momento não existem fortes evidências científicas que os animais podem adoecer de COVID-19 ou transmitir. A situação é dinâmica, portanto internamente mantemos o monitoramento e testes aleatórios das amostras encaminhadas para PCR respiratório, onde já foram testadas mais de 5 mil amostras.

Até o momento, é improvável que cães, gatos ou cavalos com sintomas respiratórios tenham COVID-19. Nesses casos, recomenda-se primariamente um Painel Respiratório Real PCR abrangente afim de avaliar a presença de patógenos respiratórios mais comuns, como o vírus influenza por exemplo.

Afim de manter um ponto focal com informações atualizadas sobre o COVID-19 e a sua relação com animais de companhia e risco de transmissão, a IDEXX disponibiliza em seu website uma gama de conteúdos, com especialistas focados em manter disponível os guidelines e updates internacionais sobre o assunto (www.idexx.com.br/covid19). Recomendamos a consulta frequente, pois a página será atualizada regularmente.

Referências

  1. Centros de Controle e Prevenção de Doenças. Doença pelo Coronavírus 2019 (COVID-19) cdc.gov/COVID19. Consultado em 5 de março de 2020.
  2. Organização Mundial de Saúde. Epidemia de Doença pelo Coronavírus (COVID-19). who.int/emergencies/diseases/novel-coronavirus-2019. Consultado em 5 de março de 2020.
  3. Associação Médica Veterinária Americana. COVID-19: O que os veterinários precisam saber. avma.org/coronavirus. Consultado em 5 de março de 2020.
  4. Associação Mundial de Veterinários de Pequenos Animais (World Small Animal Veterinary Association, WSAVA). O novo coronavírus e os animais de companhia – recomendações para membros da WSAVA. wsava.org/news/highlighted-news/the-new-coronavirus-and-companion -animals-advice-for-wsava-members. Consultado em 5 de março de 2020.
  5. Baixo nível de infecção de COVID-19 em cão de companhia [comunicado de imprensa]. Hong Kong: Governo da Região Administrativa Especial de Hong Kong; 4 de março de 2020. www.info.gov.hk/gia/general/202003/04/ P2020030400658.htm. Consultado em 5 de março de 2020.
  6. Estudos de validação do COVID-19 RealPCR: análises BLAST [Ferramenta Básica de Localização de Alinhamento Local] e estudos de reatividade cruzada. Março de 2020. Dados em arquivo da IDEXX Laboratories, Inc. Westbrook, Maine -–Estados Unidos.

 

DRA. ALINE BAUMANN – MV, MSc, MBA
Consultora de Diagnóstico Veterinário e Gerente Regional dos Laboratórios de Referência da IDEXX
Médica Veterinária pós-graduada em Microbiologia, com ênfase em Bacteriologia Clínica e Micologia, pela PUC-PR
Pós-graduação em Patologia Clínica Veterinária pela UNESP de Jaboticabal/SP
Mestrado em Ciências Veterinárias pela UFPR
MBA em Gestão Estratégica de Empresas pela ISAE/FGV.